Água de consumo domestico em zona mineira

 

Evaristo Tavares: Angola-AJUDECA, Província da lunda Norte: Município do Cuango. Data: 27 de Agosto de 2019.  , Autores: Governo provincial, administração municipal e empresas extrativas (Boss Muteba).

Bairro Luzamba: zona do 5 pratos,

Desvio e poluição do rio Mubi, para lavagem de cascato. Porem, o bairro não tem perfurações de poços de água, sujeito a fazer o uso do rio Mubi como consumo domestico, desde lavagem de roupa, utênsil, cozinhar e para beber.  A população sobre vive com estas condições, cujo o povo, não tem onde nem como reclamar, pois nos anos anteriores solicitação o governo e a administração municipal, que apresentou-se a favor da empresa, deixando a população nesta condições miseráveis.

Constatando a realidade, apois o problema vir atona no dialogo municpal do cuango, fomos averiguar a situação que parece extremamente lamentavel. Junto da população procuramos ene forma de selecionar o caso que na qual a primeira é mesmo fazer perfuração de cacimbas, apesar de ser uma realidade muito dificil de se alcançar porcausa do lençol de água. Sugerimos que a comunidade devecontinuar incansavelmente aproximar a administração local com petiçoes, influenciar o poder tradicional para defender a sua possição como a voz do povo.

 

Luzamba Neighborhood: 5 course area,

Diversion and pollution of the Mubi River, for cascade washing. However, the neighborhood has no wells drilling, subject to the use of the Mubi River as domestic consumption, from washing clothes, utensils, cooking and drinking. The population over lives with these conditions, whose people have no place or how to complain, because in previous years the government and the municipal administration, who presented themselves in favor of the company, left the population in this miserable condition.

Realizing the fact, after the problem comes up in the municipal dialogue of cuango, we went to investigate the situation that seems extremely pitiful. With the population we tried to select the case in which the first one is to drill wells, despite being a very difficult reality to reach because of the water table. We suggest that the community should tirelessly continue to approach the local administration with petitions, influence the traditional power to defend its possession as the voice of the people.