Aconteceu hoje, dia 22 de julho de 2021, no povoado de Mualadzi, no posto administrativo de Kambulatsitsi, no Distrito de Moatize, na Província de Tete, uma reunião para formalizar o fundo comunitário de Mualadzi.

A referida reunião contou com a presença do chefe da secretaria da Localidade, em representação do chefe da localidade, líderes comunitários e religiosos, membros do comitê de gestão de recursos naturais de Mualadzi e membros das instituições do estado em Mualadzi.

A mesma foi presidida pelo senhor Pedrito Conselho, em representação da AAAJC (Associação de apoio e assistência  jurídica às comunidades), como implementadora do projeto, em parceria com o centro de aprendizagem, formação e capacitação da sociedade civil (CESC).

Este fundo de desenvolvimento local, será um balão de oxigénio para a comunidade reassentada de Mualadzi, que enfrenta grandes desafios na reposição de meios de vida perdidos no processo de reassentamento de Capanga a Mualadzi.

Passaram 8 anos, que a comunidade está a viver em Mualadzi, e o tempo de recuperação que é de 5 anos. E nada está a acontecer, levando a comunidade a uma pobreza extrema.


Meeting to formalize the Mualadzi community fund

A meeting took place today, July 22, 2021, in the village of Mualadzi, in the administrative post of Kambulatsitsi, in the District of Moatize, in the Province of Tete, to formalize the Mualadzi community fund.
The aforementioned meeting was attended by the head of the Locality secretariat, representing the locality head, community and religious leaders, members of the Mualadzi natural resources management committee and members of state institutions in Mualadzi.

It was chaired by Mr. Pedrito Conselho, representing the AAAJC (Association for Legal Support and Assistance to Communities), as the project implementer, in partnership with the Civil Society Learning, Training and Capacity Building Center (CESC).

This local development fund will be an oxygen balloon for the resettled community of Mualadzi, which faces major challenges in restoring livelihoods lost in the resettlement process from Capanga to Mualadzi.

It has been 8 years since the community is living in Mualadzi, and the recovery time is 5 years. And nothing is happening, driving the community into extreme poverty.